quinta-feira, 2 de outubro de 2014

Fanfiction

Fanfiction é uma história baseada em livros, filmes, bandas e outros, onde o autor ou se colocar no enredo, ou coloca o leitor no enredo, ou muda algo nele. Elas não têm fins lucrativos e são feitas de fã para fã - com finalidade de entretenimento.

Os temas mais comuns em fanfic é universo alternativo, em uma fanfiction de um livro/filme de fantasia (como Harry Potter, Twilight, Avengers) "todos humanos"; finais alternativos, o casal que ficou junto não era o que o autor da fanfiction queria então ele reescreve a história com o final que ele desejava; entre outros.


A série "Cinquenta Tons de Cinza" era uma fanfition de twilight. Cassandra Clare, autora de série Os Instrumentos Mortais, começou escrevendo fanfics Draco/Ginny (de Harry Potter).

É comum terem leitores fantasmas nas fanfics, então os autores fazem "chantagem" para eles comentem, para saber se tem alguém lendo, para ter um retorno da qualidade do seu trabalho.

Os sites mais famosos para postagem de fanfics são o fanfiction.net, que é todo em inglês e tem um sistema um pouco intimidante para iniciantes, e o fanfiction.net.br, também conhecido como Nyah!Fanfiction.
Mais informações »

quinta-feira, 17 de abril de 2014

Aprendendo a Seduzir - Patrícia Cabot

Lady Caroline Linford sabia que não podia ter um noivo melhor do que Hurst Slater, o charmoso marquês de Winchilsea,  pelo menos era o que ela pensava até pegá-lo com outra mulher. Em vez de ficar indignada e fazer um escândalo ela escolheu seduzir o noivo, mas para isso ela precisava aprender a arte da sedução; e quem melhor para professor do que o Lothario de Londres (que por acaso é comprometido com a mulher que Caroline pegara o noivo)?

Branden Granville cresceu em uma das regiões mais pobres e violentas de Londres, conquistou o sucesso e a riqueza com o suor do próprio rosto - o que para os lords mais antigos é um vergonha! -, e sempre teve um bom jeito com o sexo oposto. Sendo assim, não demora a descobrir que Lady Jacquelyn, sua noiva, está tendo um caso. O problema é que ele não pode terminar o compromisso sem provar em juízo que ela o esta traindo e, a despeito de todos os homens que ele designou para descobrir quem era o amante, apenas Lady Caroline Linford sabe quem é o sujeito e pede algo bem diferente para que possa testemunhar a seu favor perante a corte: que ele a ensine a seduzir.

Uma mulher deveria saber que um cara, que não é bonito, mas que é muito popular entre as mulheres deve ser muito bom em fazê-las gostar dele. Caroline descobriu isso na primeira vez que Granville a tocou - se ela tivesse sido esperta como deveria o livro não existiria - e percebeu que ele seria a melhor pessoa para ensiná-la a enlouquecer um homem, no caso seu noivo. É claro que Caroline e Branden acabam se envolvendo mais do que deveriam. Caroline tem uma grande gratidão pelo marquês de Winchilsea por ter salvo o irmão quando este levara um tiro, o suficiente para ela não querer terminar o relacionamento mesmo quando o pega com Lady Jacquelyn e se descobre gostando de Branden Granville. Mas será que tudo é como Caroline pensa?

Meg Patrícia Cabot tem o seu jeito adolescente de escrever e quando ela mistura isso em um romance de época podemos esperar protagonistas que se contentam com restos de afeto, que tem personalidade forte, cabeça dura e são inexperiente no amor. Aprendendo a Seduzir explora, também, o modo como a nobreza da Inglaterra reagia aos "novos ricos" e às pessoas que trabalhavam pelo próprio sustento. É o melhor romance de época da Meg Cabot - eu diria que é o único que eu realmente recomendaria a alguém.


Mais informações »

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

GDF publica lei que permite serviço de mototáxi

A lei que permite o serviço de mototáxis no Distrito Federal foi publicada nesta quinta-feira (20) no Diário Oficial do DF e deve ser regulamentada em até 90 dias. Pela legislação, a Secretaria de Transporte vai selecionar até 2,5 mil profissionais para serem credenciados a prestar o serviço nas regiões administrativas do DF.

A norma estabelece que os mototaxistas façam o transporte dos passageiros apenas nas regiões em que forem autorizados, e não entre uma área e outra, mesmo que próximas.

Eles também serão obrigados a levar os clientes com o motocímetro ligado; seguir o itinerário mais curto e fornecer touca descartável do tipo "balaclava", com abertura para os olhos, para os usuários. Também fica proibido lavar o veículo no ponto e transportar bagagem.

A lei determina também que as motocicletas tenham data de fabricação de até quatro anos; sejam emplacadas no DF na categoria aluguel; possuam freio, motocímetro e aparelhos registradores; obedeçam a identidade visual e tenham motor de 125 a 300 cilindradas. Os veículos também devem ser submetidos à vistoria técnica anual.

Para se inscrever no cadastro de condutores de mototáxi, é preciso ter mais de 21 anos, ser habilitado na categoria A por período superior a dois anos e com observação ‘Exerce Atividade Remunerada’, apresentar atestado de curso especializado, ser dono ou titular de arrendamento da motocicleta, apresentar comprovante de residência, possuir certidão criminal negativa, ter apólice de seguro de vida e acidentes pessoais para condutores, passageiros e terceiros, ser cadastrado na Secretaria de Fazenda como autônomo e comprovar estar em dias com os tributos fiscais e trabalhistas.
Mais informações »

terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

Tentação sem limites de Abbi Glines

“Tentação sem limites é o tipo de história que fica na cabeça do leitor. É cativante, sedutor e nos deixa com gostinho de quero mais.” – The Autumn Review

A vida de Blaire Wynn não foi nada fácil. Sua irmã gêmea morreu muito cedo, seu ex-namorado e melhor amigo a traiu e ela precisou cuidar da mãe doente até o último dia de sua vida. Depois de tanto sofrimento, o que ainda seria capaz de machucá-la?

O terrível segredo de Rush Finlay.

Depois de se apaixonar perdidamente por ele, Blaire descobriu algo cruel que destruiu para sempre o mundo que conhecia. Agora ela está mais sozinha do que nunca e precisa recomeçar a vida longe de todos que a feriram. O único problema é que não consegue deixar de amá-lo.

Rush Finlay também não sabe o que fazer. Apesar das tentativas dos amigos e da família para animá-lo, o rapaz segue desolado. Ele já não quer saber da vida que levava, regada a festas, bebidas e mulheres. É atormentado pelas lembranças de um sentimento que jamais imaginara que fosse conhecer e que não pôde ser vivido plenamente.

Nem Rush nem Blaire imaginavam que seus universos pudessem se transformar de forma tão radical. Porém, a maior reviravolta das suas vidas ainda está por vir. E ela será tão intensa que obrigará Blaire a engolir o orgulho, voltar a Rosemary, na Flórida, e enfrentar seus inimigos. Rush por sua vez, terá que lutar para consertar seus erros e se provar digno da confiança e do amor dela.

Segundo volume da trilogia Sem Limites, que já vendeu mais de 5 milhões de exemplares no mundo, Tentação sem limites é tão viciante e tentador quanto uma paixão proibida.

Foram três semanas, quatro dias e doze horas desde que eu a vira pela última vez. Desde que ela destruíra meu coração. Se eu estivesse bebendo, culparia o álcool. Devia ser uma ilusão desesperada. Mas eu não tinha bebido. Nem uma gota. Não havia como confundir Blaire. Era ela. Realmente estava aqui. Blaire estava de volta a Rosemary. Estava de volta à minha vida.

Dirigi durante cinco horas ontem à noite por toda a cidade atrás de Bethy, esperando que ela me levasse até Blaire. Mas não encontrei nenhuma das duas. Voltar para casa e admitir a derrota foi doloroso. Convenci a mim mesmo que Bethy ainda estava em Sumit com Blaire. Que talvez sua mensagem de texto tivesse sido mandada quando ela estava bêbada, nada mais.

Fiquei zonzo ao vê-la. Ela estava mais magra e não gostei disso. O som da sua voz quase me fez cair de joelhos. Meu Deus, como eu sentia falta da voz dela. – Blaire... – disse, por fim, morrendo de medo de afastá-la de mim simplesmente por falar.
Mais informações »

Guia Turístico para conhecer Brasília de Bicicleta

A Secretaria de Turismo irá colocar nas ruas três roteiros turísticos para serem feitos de bicicleta pelo DF.

Os passeios serão sempre aos domingos custam até R$150, e o participante recebe uma bicicleta emprestada. O primeiro pedalaço será no próximo domingo, das 8h às 16h.
Mais informações »

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Dicas para Entrevistas de Pós-Graduação

Os conteúdos desta postagem se aplicam a praticamente todas as áreas do conhecimento acadêmico.


Existem quatro modalidades de pós-graduação no Brasil: aperfeiçoamento, especialização, mestrado e doutorado. Não estou focado aqui na pós-graduação profissional, a qual tem caráter muito diferente da acadêmica. 

Cursos de aperfeiçoamento e especialização são, em geral, farsas universitárias que praticamente nada acrescentam em termos acadêmicos aos alunos. São basicamente fontes de dinheiro fácil para professores e instituições de ensino, sejam públicas ou privadas. Ou seja, o velho discurso do ensino público e gratuito, pregado pelas ingênuas associações de professores de instituições de ensino superior público, será uma eterna hipocrisia, enquanto persistirem os cursos de aperfeiçoamento e especialização pagos. E aqueles empregadores que diferenciam salários para docentes que contam com títulos de aperfeiçoamento e especialização em seus résumés, apenas alimentam essa farsa.

Já a modalidade de mestrado tem a principal função de cobrir lacunas de formação durante o período de graduação. Isso vale em qualquer país e não apenas no Brasil. Um estudante de graduação que realize atividades de iniciação científica de alto nível, e que estude de maneira mais aprofundada o que é lecionado durante seu curso, não necessita fazer o mestrado antes do doutorado. Outra atividade importante que pode tornar desnecessária a realização de um mestrado antes do doutorado é a conhecida monografia de conclusão de curso, desde que seja realizada com seriedade e a devida profundidade na abordagem do tema. Isso faz o estudante ganhar precioso tempo, se ele pretende seguir com estudos oficialmente reconhecidos após a conclusão de sua graduação.

Mas independentemente da história do estudante durante seu curso superior, tanto o ingresso na modalidade de mestrado quanto no doutorado exigem várias etapas de avaliação: análise de currículo e histórico escolar, cartas de recomendação, realização de provas e entrevista. 

Normalmente a entrevista é a última etapa no processo de avaliação de candidatos a um programa de pós-graduação. Mas se engana profundamente aquele que julga esta etapa como a mais fácil de todas. Conheci muita gente que foi reprovada apenas na entrevista. Isso porque programas de pós-graduação precisam se proteger contra candidatos com questionável potencial para concluir o curso pretendido. Afinal, o apoio financeiro desses programas depende, entre outros fatores, do desempenho de seus alunos. 

Por isso apresento algumas sugestões básicas sobre como proceder em tais entrevistas.


  1. A mais importante recomendação é a seguinte: Peça para um experiente professor universitário (preferencialmente da área de seu interesse) simular uma entrevista com você. Isso é algo que consome, no máximo, meia hora. Este professor detectará rapidamente suas falhas e, desse modo, você estará melhor preparado para a entrevista real.
  2. Pesquise tudo o que estiver ao seu alcance sobre o perfil do programa de pós-graduação. Essa investigação deve ser feita antes da entrevista. Se puder, assista a palestras de professores da instituição. Conheça a produção científica dos pesquisadores. Examine a estrutura do programa em termos de exigências para a conclusão do curso. 
  3. Se você concluiu sua graduação (ou mestrado) há muitos anos e só agora está tentando ingressar em um mestrado (ou doutorado), certamente os entrevistadores perguntarão o motivo dessa demora para prosseguir em seus estudos. Se seus motivos se referem a problemas pessoais ou profissionais, deixe claro que tais problemas não podem mais interferir em sua vida acadêmica nos próximos anos. E justifique sua resposta. Se não teve motivo algum, jamais diga isso na entrevista. É fundamental que você demonstre maturidade acadêmica. Se for necessário, matricule-se em uma disciplina do programa de pós-graduação como aluno especial e procure ter o melhor desempenho possível em tal disciplina. Isso pode ser feito antes da solicitação de matrícula no programa de pós-graduação. Desse modo você terá um importante trunfo em mãos, principalmente se foi aprovado com nota máxima. 
  4. Uma pergunta inevitável em entrevistas é o motivo para você desejar o ingresso no programaJamais apresente um único motivo. Ciência é uma atividade social e, por isso, opera em rede. Um único motivo é demonstração de isolamento social e intelectual. Apresente respostas do seguinte tipo: sempre gostei dessa área do conhecimento (justifique o que exatamente lhe atrai na área desejada de estudos); quero colaborar com o programa de pós-graduação, pois admiro o trabalho de Fulano e Beltrano (professores pesquisadores do programa que podem ser potenciais orientadores); quero e preciso crescer na minha carreira; tenho interesse em pesquisa (fale brevemente sobre o que pretende realizar) e o apoio institucional é fundamental para que eu coloque em prática meus projetos. Se insistirem no motivo para você desejar o ingresso especificamente naquele programa, seja honesto: tenho família nesta cidade e, por isso, terei mais tempo de me dedicar aos estudos e ao trabalho do que viajando para outro lugar; é uma das melhores instituições do país (mas só fale isso se for verdade amplamente reconhecida!); me identifico muito com o trabalho de Fulano e Beltrano (pesquisadores vinculados à instituição). 
  5. Há entrevistadores que questionam o que você costuma ler. Neste momento espero que você de fato leia bem mais do que apenas livros didáticos usados na graduação. Textos técnicos tipicamente adotados em cursos de pós-graduação, bem como literatura de divulgação científica, são fortemente recomendáveis. Acompanhar revistas como Scientific AmericanScientific American Brasil,NatureScienceProceedings of the National Academy of Sciences, ou mesmo Ciência HojePesquisa FAPESPBravo e Cult (dependendo da área de interesse) são fundamentais. Publicações mais populares como as revistas Veja e Superinteressante não devem ser mencionadas. Geralmente são inadequadas para esta finalidade.
  6. Outra pergunta frequente é se o candidato tem interesse em receber bolsa de estudos. Esta é uma questão cuja melhor resposta é aquela que for transparente e objetiva, de acordo com o perfil pessoal do entrevistado: sem bolsa não poderei realizar o curso; não preciso de bolsa; não preciso de bolsa, mas ela facilitaria bastante a minha vida. Porém, jamais diga que não quer receber bolsa. Isso pode ser interpretado como falta de interesse em vínculo sério com a instituição. Se responder que precisa de bolsa de estudos, deixe claro que você conhece o valor e que o considera tolerável. Se não souber o valor, pergunte aos entrevistadores e avalie imediatamente se é aceitável, deixando clara a sua posição.

Outra questão importante é o visual do entrevistado. Em geral não existe preocupação se o candidato usa maquiagem, tatuagens, jóias, roupas caras, roupas baratas, piercings, peruca ou demais adereços. Mas uma noite bem dormida antes da entrevista e um banho não fazem mal a ninguém. Além disso, devem ser evitados agentes que comprometam o foco da entrevista, como perfumes de odor muito forte ou cheiro evidente de cigarro e/ou bebida alcoólica. Certas drogas legais e ilegais também devem ser controladas. Ressaca resultante de excesso de bebida na noite anterior, certos analgésicos e maconha são agentes que comprometem o desempenho intelectual de qualquer pessoa. 

Essas últimas recomendações parecem triviais. Mas o fato é que existem casos de pessoas extremamente talentosas (academicamente falando) que se descuidam gravemente com aspectos banais da vida.

Com relação ao estado emocional, excesso de calma ou acentuada preocupação não são obstáculos. Mas saber se expressar com clareza e objetividade é imprescindível.


Mais informações »

quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

PROCESSOS SELETIVOS EM EMBAIXADAS E ORGANISMOS INTERNACIONAIS

O primeiro passo é mapear todas as Embaixadas existentes no Brasil. No site do Itamaraty existe uma lista com todas as representações diplomáticas existente nos Brasil. Atualmente o Brasil acolhe aproximadamente 124 missões diplomáticas. Digo aproximadamente porque devido à política externa de aproximação com os países africanos e caribenhos, especialmente, iniciada no governo Lula, muitos países estão abrindo representações diplomáticas no Brasil, de maneira que fica difícil precisar um número exato.

Identificados o número de Embaixadas e quais países elas representam, selecionei aqueles que eu tinha interesse profissional e pessoal em trabalhar. Seja por já ter morado na Noruega, ou por ter trabalhado com chineses e indianos, ou ter interesse no mundo árabe ou no Reino Unido, fiz uma lista e comecei a pesquisar na internet. Algumas Embaixadas mantêm sites muito bem estruturados e postam lá todas as vagas de trabalho disponíveis, como por exemplo, as Embaixadas do Reino Unido, do Canadá, dos EUA, da Austrália, da Dinamarca, da Noruega. Algumas possuem áreas nos sites especificamente para ofertas de emprego e outras postam a vaga em sua página inicial. O importante é monitorar sempre estes sites e ficar de olho.

Algumas Embaixadas não possuem site e por isso acabam divulgando suas vagas através do jornal Correio Braziliense, nas edições de domingo e quinta-feira, o que complica um pouco, pois só quem mora em Brasília acaba tendo acesso. Além das Embaixadas é possível encontrar vagas de emprego em organismos internacionais como o PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) a UNICEF (Fundo das Nações Unidas para a Infância) entre outras instituições. Além das vagas, os jornais e a internet por vezes trazem notícias sobre novas missões que estão sendo abertas no país, e novas missões sempre demandam novos funcionários.

Outras Embaixadas não divulgam suas vagas e por isso vale à pena levar seu currículo para ser entregue em mãos ou enviar pelos correios. Antes de enviar, certifique-se de que a Embaixada está disposta a receber seu currículo entrando em contato com ela. Na época, lembro-me de não ter podido entregar o meu na Embaixada da China, que só trabalha por meio de indicação, nem na Embaixada da Espanha que só trabalha com contratação por edital.

Outra dica muito importante para quem tem interesse em trabalhar em Embaixadas: muitas delas só contratam pessoas que falam também o idioma do país que representam. A Embaixada da Alemanha só trabalha com quem fala alemão, a da Itália com quem fala italiano e assim sucessivamente. Algumas, como as árabes, por exemplo, acabam aceitando funcionários que falam inglês fluente e não o árabe, pela dificuldade de encontrar pessoas que falem o idioma. Mas não se iludam, eles sempre irão preferir o funcionário que fala a língua de origem do país, logo, se não for requisito eliminatório ele será no mínimo de caráter preferencial.

Na minha experiência profissional em Embaixadas posso dizer que os processos seletivos não variam muito: sempre há uma prova de idiomas por escrito para avaliar seus conhecimentos relacionados a ele. Na maioria dos casos uma tradução a ser feita de inglês para português e de português para inglês, num curto espaço de tempo. Dependendo da Embaixada seu espanhol ou outro idioma poderá ser testado. Se selecionado, o candidato será entrevistado em inglês, por pelo menos três pessoas. As maiores Embaixadas possuem departamentos de recursos humanos muito bem estruturados, nas menores as entrevistas serão feitas pelos próprios diplomatas. O estilo de entrevista é um pouco diferente do setor privado. Além de eles lerem todo seu currículo e carta de apresentação (geralmente solicitada nos editais) de maneira minuciosa, a maior parte das perguntas terá um caráter situacional, o que significa que eles irão te apresentar uma situação característica daquela vaga e perguntar se você já passou por aquilo, qual foi sua atitude diante dela, e se não passou o que teria feito neste caso. Sempre relacionando sua resposta com as informações apresentadas no seu currículo. Por isso, ao ler o edital, certifique-se que conhece bem as atividades descritas e, mesmo que não tenha experiência com elas procure se informar sobre as características atribuídas às atividades a fim de evitar saias justas.

Dentro do cenário saias justas, esteja ciente que a maior parte das Embaixadas não emenda feriados. Isso é cultura brasileira. Em nenhum outro lugar existe tal situação. Horários têm que ser respeitados e a maior parte das embaixadas trabalha 35 horas por semana, o que não dá espaço para sair mais cedo ou chegar mais tarde já que a carga horária já é reduzida. Outras Embaixadas trabalham com flexibilidade de horário desde que as metas e tarefas sejam executadas dentro do prazo. Um ponto interessante é que todos os feriados nacionais são comemorados: os nacionais do Brasil e do outro país. Nos feriados do outro país isso não necessariamente significa folga sempre. Às vezes são feitos eventos, como por exemplo, as festas de Data Nacional, que envolvem toda a Embaixada e dão muito trabalho.

Com relação às leis trabalhistas, as embaixadas estão subordinas à legislação trabalhista brasileira. Elas somente não podem reter na fonte o valor do imposto de renda que deve ser pago pelo próprio funcionário através do carnê leão. Mas fique atento porque algumas já foram levadas à justiça por não pagar tudo em dia. Uma boa maneira de evitar este tipo de situação é consultando o SINDNAÇÔES que poderá te fornecer informações valiosas quanto à conduta das Embaixadas com relação aos seus funcionários.

Assim como em toda instituição, em qualquer área, existirão os bons e os maus funcionários. Como a maioria não pode ser mandada embora, assim como no funcionalismo público brasileiro, existe uma tendência para que os brasileiros contratados acabem trabalhando mais que os estrangeiros. Vejam bem, isto não é regra geral e não estou diferenciando aqui as nacionalidades como sendo melhores ou piores. Estou apenas lembrando que isso existe em qualquer país, inclusive senão, sobretudo, no nosso.

Sobre os salários posso afirmar que as Embaixadas que representam países ricos obviamente terão os melhores salários: norte da Europa, Oceania, Estados Unidos e Canadá. Além disso, são também as Embaixadas que apresentam vagas mais interessantes profissionalmente em termos de atividades, com cargos de chefia inclusive. As demais embaixadas terão oportunidades para cargos como motorista, copeiro, jardineiro, secretário(a), assessor(a). Muito embora também, as vagas de secretário e assessor sejam muito boas especialmente como porta de entrada na embaixada para quem tem menos experiência. É importante ressaltar que tudo pode começar também por meio de um estágio, que segue as mesmas diretrizes das vagas de emprego mencionadas neste post.

Estar bem informado é fundamental na hora de conseguir uma vaga em Embaixada. Não somente sobre o outro país, mas também sobre o Brasil. Tenha em mente que eles já sabem tudo sobre o país deles e que você estará lá para auxiliá-los a conhecer melhor o Brasil. Não adianta morrer de estudar sobre a economia do Reino Unido para disputar uma vaga no departamento econômico da Embaixada britânica, por exemplo, se você nada souber sobre o cenário econômico brasileiro. Mantenha-se atualizado buscando notícias nos jornais para estar bem preparado.

Por fim algumas dicas que acredito serem válidas em qualquer processo seletivo:
  • Se vista de maneira formal e tenha uma postura séria;
  • Não se atrase nunca. Melhor chegar mais cedo do que atrasado;
  • Se não souber realizar determinada tarefa, mostre sempre que está disposto a aprender;
  • Não pare de estudar nunca;
  • Busque o maior número de informações sobre a instituição em que deseja trabalhar;
  • Estude sobre a cultura daquele país para não se surpreender com hábitos culturais peculiares;
  • Não interrompa jamais seu avaliador; espere a sua vez de expor seus pensamentos;
  • Elabore frases objetivas com começo, meio e fim, e certifique-se que foi capaz de responder à pergunta solicitada;
  • Leia sempre e seja capaz de mencionar um livro pertinente à vaga que almeja quando perguntado;
  • Não minta para o avaliador nem para você mesmo: às vezes podemos ser surpreendidos durante a entrevista e percebermos que aquela vaga não era exatamente o que queríamos. Melhor não aceitar o cargo se não é do seu real interesse. Deixe as portas abertas para outra oportunidade.
  • Difícil mesmo é conseguir sua primeira oportunidade de trabalho dentro de uma Embaixada. Umas vez lá dentro e com experiência na área será muito mais fácil conseguir um upgrade na sua carreira.
Mais informações »